“Pare de falar e comece a vender”

Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

“Pare de falar e comece a vender”

Almoço na LaBaguette (antigo restaurante na rua Manoel Guedes, no Itaim Bibi, em S.Paulo). Ano: 1995

Eu, recém contratado de uma pequena seguradora, estava almoçando com o meu chefe, dono da cia.

– Como estão as coisas, Stavros..?”

– Bem , tenho falado com alguns corretores e blá blá blá…

E lá ia eu dissertar por meia hora, contando situações, desafios e casos enfrentados no dia a dia.

– Sabe Stavros, ontem estava em uma livraria, vi um livro e lembrei de você. O título era: “Pare de falar e comece a vender”..

Paaaau! Doeu!!

Perdi o rebolado por uns segundos e tentei voltar a conversa. Sem sucesso. O almoço foi um desastre e a comida parou na goela.

Esse foi o batismo com meu novo chefe. Ele não queria histórias, queria números. E estava certo.

De lá para cá, passados mais de 20 anos, vejo que essa lição foi uma das mais valiosas da minha carreira.

Não conte histórias.

Produza números que é o que seu saldo bancário entende e o saldo da empresa para a qual você trabalha, entende.

Muita falação e pouca objetividade: Pare de falar e comece a vender.

Antes de ficar ofendido como eu fiquei, pense que sua produção é medida pelos clientes que traz e o faturamento gerado e não pelas histórias que conta.

Seu nome não é maior que a organização que você trabalha. Nem o meu, muito menos, aliás.

O verdadeiro valor está no que agregamos para o resultado final, ou seja, faturamento.

Certa vez, o CEO de uma empresa que trabalhei por 3 anos me disse: Quando você vai reestruturar uma empresa, e olha para os recursos humanos, você faz duas perguntas:

1. Essa pessoa agrega para o produto final?

2. Essa pessoa traz faturamento?

Se ambas as respostas forem Não, é demissão iminente e sumária.

Todas as atividades burocráticas, mesmo que importantes, são as primeiras a serem simplificadas, consolidadas ou até eliminadas.

Na área comercial então, o cenário é bem mais duro..

Ou você traz faturamento novo, ou você, a curto prazo, cairá da corda bamba.

“Ah mas eu cuido da carteira!”

Neste exato instante tem pelo menos 100 profissionais desempregados que podem fazer a mesma função e dispostas a ganhar metade do que você ganha.

Portanto cuidar da carteira não é algo que você pode se fiar para se fazer imprescindível na sua empresa.

Agora, se você traz clientes novos, no osso, do nada, aí sim, você gera valor. A empresa demitirá vice-presidentes e diretores, mas manterá você.

Esses dias tomei café com um velho amigo e que, inclusive, trabalhamos juntos por um bom tempo.

“Stavros, fico me indagando se as pessoas estão prontas para o choque de realidade que você expõe nesses seus artigos.. Elas não se assustam com você?”

Que nada. A maioria das pessoas que lido sabe que o mundo corporativo está longe de ser o que está nos best sellers americanos e nos modismos da tecnologia.

Aqui no Brasil você abre o saldo da sua empresa e o saldo operacional é insuficiente. Aqui você pede um misto quente e ele não vem. Aqui você lida com o imponderável, com muita transitoriedade. Aqui os custos fixos são sagrados enquanto as receitas só são previsíveis na cabeça de teóricos que nunca geriram uma empresa.

Vi isso em empresas pequenas e multinacionais para as quais trabalhei. A insuficiência, insegurança e volatilidade são a regra no ambiente corporativo, independente do tamanho.

Aqui a regra é furar o orçamento logo no primeiro trimestre. Uma única greve de 20 dias coloca de joelhos toda a sociedade e deixa rombos tectônicos na economia.

Aqui o empresário, o verdadeiro gerador de empregos (que é a único gerador de inclusão social) é visto como um ganancioso capitalista explorador e ávido por lucro.

Duvido, duvido que exista um ser humano vivo que possa explicar a carga tributária e o funcionamento de impostos no nosso país. Se você conversar com 5 contadores, ouvirá 5 histórias diferentes.

Adoro conversar com um desses teóricos da administração que nunca teve que fazer uma folha dia 5, ou pagar o aluguel da loja, mesmo com greves, desmandos, insegurança e com juros exorbitantes. E isso em um país com mais de 12 milhões de pessoas sem emprego e com recordes de empresas fechando todos os dias.

“Amigo, você já teve que fazer um vale dia 20, sendo que seus clientes atrasam os pagamentos e o banco não libera mais crédito?”

Não? Então você não sabe NADA de Brasil. Provavelmente vive numa bolha acadêmica, lê muitos livros e revistas ou está sob a proteção temporária de um emprego que mais cedo ou tarde irá se extinguir ou está consumindo o funding da sua startup, sem sofrer com a falta de caixa que fatalmente virá.

Então essa é a realidade.

A única, única e universal saída, se esse é o meio que você escolheu para trabalhar, é ser competitivo, é gerar valor de mercado.

Posto isso, o resto é detalhe, é substituível, é móvel, é solto, é frouxo.

O valor que você gerá, não.

Esse é um ativo, maior que sua marca e sua carteira de clientes. Se você gera valor de mercado, sempre haverá clientes, pedidos, faturas e boletos pagos caindo na sua conta corrente.

O sucesso do passado não importa. Muito menos o fracasso. Hoje a única moeda, é o valor gerado à luz da percepção do mercado.

Para quem trabalha com vendas, o valor é um número: O faturamento que você traz todos os meses para dentro da sua empresa.

Não conte histórias. Traga faturamento novo.

Stavros Frangoulidis
Stavros Frangoulidis
Fundador e CEO da PaP Solutions ⚡ Vamos conectar também no Linkedin

Se você achou interessante, compartilhe :-)

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Anúncio

Um livro que pode salvar um ano de vendas da sua empresa. Conheça!

Artigos recentes

Dicas

Friend zone

“Friend zone” ou zona da amizade é um termo popular que refere-se a um situação onde uma pessoa quer um relacionamento romântico, ao contrário da outra que somente quer apenas amizade. Acontece muito. E pode durar anos de sofrimento. Analogamente nos negócios corporativos poderíamos ter um termo como “waste zone” ou zona do desperdício onde

Leia mais »
Dicas

Vendendo soluções complexas

Por complexo quero dizer: Mexe com dados sensíveis É intrusivo em diversas áreas dentro da empresa Implementação pode ser longa Retorno vem em longo prazo Alto investimento Consultorias diversas, infra em tecnologia da informação, serviços jurídicos estruturados, serviços financeiros estruturados, bens de capital para indústria, imóveis entre outros são produtos e serviços que de alguma

Leia mais »

AGENDAMENTO DE REUNIÕES QUALIFICADAS

SERVIÇOS DE PROSPECÇÃO CORPORATIVA

Dedique seu tempo onde ele te trará o maior retorno: Em uma sala de reuniões com os melhores potenciais clientes do seu mercado.

Rolar para cima

Este website usa cookies para proporcionar uma melhor experiência de uso aos nossos visitantes.

Está pensando em captar novos clientes?

Se você estiver em um momento de busca de novos clientes para sua empresa, temos uma sugestão: A leitura do livro “A Melhor Prospecção de Clientes Corporativos de Todos Os Tempos”. É um manual com 70 práticas testadas e exposição de 5 cases, no mercado brasileiro e internacional. Escrito por Stavros Frangoulidis.